sexta-feira, 8 de maio de 2009

Ploc Ploc...ahhh


Algumas pessoas encontram no plástico-bolha uma ótima atividade desestressante: estourar as bolhas. Apertar as bolhas uma a uma, ouvindo o calmante som "ploc", torcer o plástico para estourar o maior número possível de uma vez ou até mesmo pisar em cima.
Claro que eu me enquadro nesse perfil de pessoa normal, e após estourar, e contar, 1787 bolhinhas, me deu curiosidade de saber a história do plástico-bolha.
Plástico-bolha é um tipo de plástico que serve para proteger os produtos ou objetos em transporte. Foi criado por dois engenheiros, Alfred Fielding e Marc Chavannes, em 1957. Como muitas outras inovações, foi acidental: eles tentavam criar um plano de fundo de plástico texturizado com o verso em papel que pudesse ser facilmente limpado.
O termo é uma marca registrada da Sealed Air Corporation (EUA), que foi fundada em 1960 por esses inventores e teoricamente só pode ser usado pelos produtos dessa companhia.
Produzido em filme de polietileno de baixa densidade com bolhas de ar prensadas, o plástico-bolha é um produto que proporciona excelente proteção aos materiais nele embalados. Outra aplicação largamente utilizada do plástico-bolha é no revestimento de pisos antes da aplicação de carpetes de madeira, proporcionando uma ótima isolação acústica. Esse material pode ser também laminado com papel e transformado posteriormente em envelopes, para transporte de produtos frágeis e outros que requeiram cuidados especiais.
Percebendo a “paixão” de algumas pessoas em estourar as bolhinhas e o efeito calmante que o ato lhes proporciona, a Bandai, famosa fabricante de traquitanas eletrônicas japonesa colocou no mercado o chaveiro “Infinite Puchi Puchi”, que além do tradicional som característico possui mais sete sons a escolher, pois a cada cem “ploc ploc” ele vai emitir um som de sua escolha, que pode ser do tradicional ao latido, até campainha, voz sexy e outros.
Confesso que não me atrai muito esse chaveiro. Sou uma pessoa muito tradicional... rs... e prefiro ter um pedaço generoso do velho e bom plástico-bolha e estourá-lo à forma antiga.

“Infinite Puchi Puchi” - vídeo



3 comentários:

Osório Filho disse...

Hummmm... como é bom estourar as bolhinhas, né??? hehehhe

Será que tem alguém que não gosta???

:O

thayze darnieri disse...

sempre inovadoor!
... acho qe nunca havia lido um post sobre plastico bolha. como assim, neaam? uma paixao mundiaal. =)

ah, sabendo disso, confesso que toda vez que compro presentes para voce pela internet cogito entregar embrulhado em plastico bolha, mas sempre desistoo!

railer disse...

bacana, me fez lembrar da minha querida vovó e do quanto ela adorava o plástico bolha... saudades dela...